Oxford

Se o tema é uma entrevista de emprego cujo lugar ambiciona muito, é impossível não falar do modelo Oxford já que é bastante formal. É um modelo que geralmente é confecionado em couro ou camurça, e possui um bico fino e longo, o que se traduz num recorte bastante característico. Os sapatos oxford mais tradicionais possuem apenas uma cor por inteiro, mas existem também os modelos bicolores. Eles foram muito usados durante os anos 20, principalmente por músicos e admiradores de jazz.

Este modelo tem origem na Escócia e Irlanda. Aquilo que os distingue é o facto de as palas com a perfuração para os atacadores serem cosidas a partir da sola do sapato. Caraterística que os torna mais confortáveis. Em tempos este modelo era o único que se aceitava na cidade. É considerado a combinação perfeita para fatos. Sendo que também podem ser combinados com calças chino ou mesmo jeans. É considerado o tipo de sapato dos membros da administração das grandes empresas.

Oxford

Modelo Oxford

Derby

É quase o oposto do modelo anterior. Aliás, este modelo é o menos formal do grupo de sapatos clássicos. O que faz com que seja um modelo mais comum.

Nascido há mais de um século, o sapato derby apresenta para os homens uma opção clássica e elegante para o ambiente de trabalho ou até ocasiões especiais como casamentos e festas.

Mas engana-se quem pensa que sapatos só servem para ambientes formais e arrumados. Hoje, cada vez mais homens optam por calçados como derbys, brogues e oxfords para o dia-a-dia.

Este modelo distingue-se por ter a pala sob os atacadores feita do mesmo material da biqueira do sapato. Acaba por ser mais largo do que os Oxford. Já foi visto como sapato de fim-de-semana. Mas tem vindo a conquistar grande popularidade. Até porque combina praticamente com tudo, dos jeans aos fatos. O que faz com que combine com os mais diferentes estilos e com as diversas ocasiões dos quotidianos.

Derby

Modelo Derby

Monk

O nome não deixa margem para dúvidas. Este modelo tem origem nos sapatos dos monges. Agora coloca-se a questão: Qual a razão de um sapato que tem “monge” no nome se ter tornado tão popular?

O Monk Strap é um exemplo disso. Apesar de ser menos conhecido do que muito outros modelos, ele está a tornar-se cada vez mais popular.

O realce vai para a formalidade média. Ou seja, é menos formal do que o modelo Oxford, mas mais do que os Derby. A caraterística que os distingue é a ausência de atacadores, que dão lugar a uma fivela metálica situada na lateral do sapato. É associado a fatos e calças mais formais. Mas fica igualmente bem com jeans. É uma opção estética quando combinado com fatos.

Monk

Modelo Monk Strap

Brogue

Há quem diga que o Brogue não é, na verdade, um modelo de sapato, mas sim uma característica associada aos furinhos decorativos que eles recebem. Mas o nome acabou por se popularizar como um tipo de sapato. Você pode ter um Oxford Brogue, um Derby Brogue, uma bota Brogue e assim por diante.

Ninguém sabe a época exata em que o Brogue surgiu, mas acredita-se que foi na Irlanda, quando os trabalhadores começaram a perfurar seus sapatos para, assim, a água drenar mais rápido quando exerciam atividades no exterior.

As primeiras referências do Brogue como item de estilo, no entanto, remetem ao início do século 20. Tradicionalmente o Brogue é um sapato casual, mas com o tempo ele acabou adotando uma característica bem versátil. Fica igualmente bem com jeans ou fato.

Brogue

Modelo Brogue

Loafer & Mocassim

Muitas pessoas confundem-se entre os modelos Loafer e Mocassim, achando que são nomes diferentes para o mesmo tipo de sapato. Será verdade? Não, apesar da semelhança entre eles.

O Mocassim é um sapato usado há séculos pelos índios norte-americanos. Ele é reconhecido pela costura lateral e por ser fechado, ou seja, não precisa de atacador ou fivela para amarrar. Até pode ter atacador, mas é meramente decorativo.

Já o Loafer, que traz as mesmas características descritas acima, possui duas versões para sua origem. Ele teria sido criado pela nobreza inglesa para ser usado em casa ou por um norueguês que visitou os EUA e desenvolveu uma versão modernizada do Mocassim, ao misturá-lo com um calçado tradicional dos pescadores escandinavos. O Loafer tem como grande vantagem a versatilidade. Pois praticamente pode ser utilizado com tudo. Mas talvez seja melhor não usar este modelo com um fato mais clássico. Fatos mais casuais e calças chino ficam muito bem com Loafers. Ou mesmo com blazer e gravata. É o tipo de sapato que está bem visto em todas as empresas.

Então qual é a diferença entre eles? Tal como o Oxford e o Derby, o Loafer tem salto baixo e sola separada. O Mocassim não possui nada disso, é um corpo único. Mas ele pode trazer em baixo alguns cravos (o chamado Mocassim Driver) ou uma camada fina de plástico.

Em geral ambos vêm com uma faixa de couro na parte superior do pé, às vezes adornada por um detalhe de metal. Os dois têm uma pegada mais casual, principalmente os modelos de camurça. Mas você pode usar com blazer tranquilamente e ficará bem.

LoaferMocassimModelo Mocassim

Modelo Loafer

Top Sider ou Dockside

Ideal para o tempo mais quente. Os Boat Shoes, mais popularmente conhecidos como Top Sider ou Dockside, são na sua essência iguais, apenas foram lançados por marcas diferentes.

O Top Sider foi criado por um velejador que, cansado de escorregar no deck do barco, se inspirou nas patas do seu cocker spaniel (que conseguia correr no gelo com muito equilíbrio) para cortar a sola do seu sapato num padrão semelhante, com o objetivo de ganhar tração.

Deu certo e, em 1935, ele lançou a marca Sperry, que se popularizou nas décadas seguintes entres os marinheiros e até hoje está em atividade.

Já o Dockside foi lançado em 1970 pela Sebago, seguindo a mesma fórmula, mas prometendo uma qualidade superior em relação aos Boat Shoes da Sperry. E eles cumpriram a promessa, tanto que na década seguinte virou uma tendência mundial.

Por outro lado, enquanto o Top Sider nasceu feito em lona, o Dockside surgiu em couro.

O que define o Boat Shoes originalmente é o seu solado riscado. Ele lembra um híbrido do Mocassim (pela sua costura) com o Derby (pelos atacadores).

Ambos são perfeitos para os dias quentes e eventos diurnos, inclusive casando bem com umas belas bermudas

Dockside

Modelo Dockside

Botas Chelsea

Modelo não muito alto que se destaca pelo elástico na lateral da bota. E que está cada vez mais na moda. É uma daquelas opções que vive algures no universo do dress code smart-casual. A combinação perfeita está dependente da cor e do material das botas. É uma boa escolha para jeans e para roupas menos formais.

Chelsea

Modelo Chelsea

Ténis

Ténis ou Sapatilha refere-se a um tipo de calçado, normalmente com sola de borracha, que pode ser utilizado para realizar a prática de desportos ou com uma utilização mais citadina ou casual. Sinónimo de "Ténis" (regionalismo). Mais conhecido hoje, por serem calçados confortáveis. Por serem sem salto, trazem conforto e praticidade para o dia a dia. E pela elegância podem ser combinadas com looks mais sofisticados para momentos especiais.

Há homens que gostariam de utilizar ténis todos os dias. Será que isto é possível? O que faz dos ténis algo indicado para utilizar no escritório? Têm que ser baixos, regra que se perde quando a empresa não tem um dress code. E preferencialmente de pele. Sendo algo casual não deve ser combinado com os fatos mais formais. Pode ser combinado com blazer e calças que não são do mesmo conjunto. Em caso de vontade de usar ténis com fatos mais formais, o risco é menor quando se combinam ténis com fatos slim. Em empresas criativas os ténis são sempre bem recebidos.

Ténis